Diário da Campanha

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Diário da Campanha

Mensagem por E. Casati em Seg 18 Ago 2014, 4:16 am

Trilha sonora.
Desconsiderem os erros de digitação, porque fiz essa *beep* com sono.
E é importante notar que é uma versão extremamente resumida da sessão, sem os detalhes (a sessão durou mais de cinco horas, sem interrupções).


- Você foi aqui sentenciado a viver o restante de sua curta
vida em Rocha da Angústia, o que, apresso-me a acrescentar, é
uma bênção em comparação a extensão de seus crimes e do
sofrimento de suas vítimas. Lá você irá residir na miséria de
seus pensamentos até o momento em que você for escorraçado,
enforcado e esquartejado. Eu rogo para que os deuses não
tenham piedade de sua alma arruinada.


A sentença final de Vance Saetressle ("O Degolador"),
em 1322 CV, pelo magistrado Axenris Terceiro.


SESSÃO 1

A Missão

Os personagens chegam a Ravengro para participar do funeral e leitura do testamento do Professor Petros Lorrimor, que pede para eles ficarem na cidade por um mês para garantir a segurança da filha.

Durante esta estadia eles descobrem que há algo sinistro acontecendo na cidade...


O Grupo

O grupo inicial é composto de:

A História

Viktor e Immith se reconhecem em Lepidistadt, e decidem continuar a viagem juntos até Ravengro. No caminho, quando contornam a Mata Virgem, eles encontram uma garota de dez anos na floresta, deitada sobre um círculo e pentagrama desenhados com sangue no chão. A menina está em choque, só chora, e teve sua língua cortada. Viktor sente uma frote presença do Mal no lugar e na menina. Eles a levam aos cuidados do Templo de Kelemvor em Ravengro, o único templo da cidade.

Rhistel chega a Ravengro pelos campos, contornando o Lago Lias pelo oeste. Ele passa pelas ruínas da Prisão de Rocha da Angústia, e, na estrada, é surpreendido por uma carruagem fantasmagórica que corre em direção a Ravengro, e se dissipa no meio da estrada.

Monty encontra dois fazendeiros na estrada, o velho Felismund e seu filho Gustav. Ele ganha a confiança do homem, e continua a viagem até Ravengro em sua companhia. O fazendeiro conta ao druida que algum tempo atrás uma peste acabou com as plantações da região, e muitos fazendeiros, desesperados por comida, se viram na posição de bandidos, atacando os viajantes na estrada e até mesmo outras fazendas. Ele também diz que já houveram mortes por conta disso. Chegando em Ravengro, Monty nota um monumento: uma estátua grande de um guarda, com uma placa de ferro com alguns nomes. O fazendeiro informa que é uma homenagem aos guardas que morreram no grande incêndio de Rocha da Angústia, e aquilo chama a atenção do druida.

Em Ravengro todos se dirigem à Mansão Lorrimor, para se encontrar com Kendra.


A "amigável" e "aconchegante" Ravengro

PARTE UM: A ÚLTIMA VONTADE E O TESTAMENTO DE PETROS LORRIMOR

Os personagens são recebidos na mansão por Kendra Lorrimor, trocam algumas palavras entre si, e ao final da tarde se dirigem ao cemitério das Terras do Descanso a bordo da carruagem de Kendra.


Kendra Lorrimor

Problemas no Sonho Velado

Chegando no portão do cemitério, há apenas outras cinco pessoas para acompanhar a procissão, além do Padre Vauran Grimburrow e dois acólitos. Viktor e Monty se oferecem para carregar o caixão, ajudados pelos acólitos de Kelemvor.

Eles partem em procissão até o túmulo do Professor, pela via chamada Sonho Velado, mas são interrompidos por alguns aldeões, que não querem que o professor seja enterrado ali, acusando ele de ser necromante, e que seu corpo irá profanar o cemitério. Viktor e Monty tentam continuar a procissão, se aproximando dos aldeões. Kendra tenta dialogar com o líder deles, mas é atirada na lama. Vitkor é empurrado e solta o caixão, sobrecarregando Monty, que deixa o caixão cair na lama. Uma luta está prestes a se iniciar, mas Monty conjura Constrição, que é o suficiente para assustá-los e fazê-los fugir. A procissão continua normalmente, e por fim o Padre Grimburrow profere uma cerimônia de enterro do corpo do Professor.


Padre Vauran Grimburrow

Na saída do cemitério, Kendra apresenta os personagens às pessoas que estavam ali, os únicos amigos do Professor na cidade: o Conselheiro Vashian Hearthmount, o Conselheiro Gharen Muricar, o taverneiro Zokar Elkarid e seu filho adolescente Pevrin, e Jominda Fallenbridge, a apotecária de Ravengro. O Conselheiro Hearthmount se mostra ansioso para a leitura do testamento, e ele, Kendra e os personagens se dirigem à Mansão Lorrimor.

A Vontade de Lorrimor

Na mansão, o Conselheiro Hearthmount lê o testamento em voz alta:

testamento do professor lorrimor:
Eu, Petros Lorrimor, consciente de minha vontade, comprometo a este pergaminho meu último desejo e testamento. Deixo ser conhecido que, com exceção dos detalhes específicos abaixo, deixo minha mansão e todos meus pertences pessoais à minha filha Kendra Lorrimor. Use-os ou venda-os como quiser, minha criança.

No entanto, além do legado de meus pertences pessoais, este documento deve servir a outras necessidades. Eu organizei tudo para que a leitura deste documento fosse adiada até que todas as partes envolvidas possam estar presentes, pois eu tenho mais do que mera herança a repartir. Eu tenho dois favores finais a pedir.

Aos meus velhos amigos, eu odeio impor à todos, mas existem outros poucos que são capazes de prezar o verdadeiro significado daquilo que eu tenho a pedir. Como alguns de vocês sabem, dediquei muitos dos meus estudos a todo o tipo de mal, para que eu possa conhecer o inimigo e informar aqueles em melhor posição para enfrentá-los. Pois o conhecimento do inimigo é o caminho mais seguro para a vitória sobre os seus planos.

E assim, ao longo de minha vida, eu fui apto a adquirir uma significativa coleção de tomos valiosos, mas perigosos, qualquer um dos quais, nas circunstâncias erradas, poderia ter me levado a uma embaraçosa situação legal. Embora a maioria destes tomos permaneça seguro na Universidade de Lepidstadt, temo que alguns eu tenha pego emprestado e se encontram em um baú na minha mansão em Ravengro. Embora de valor inestimável para o meu trabalho em vida, na minha morte eu prefiro não sobrecarregar a minha filha com o lado mais escuro da minha profissão, ou, pior ainda, o perigo de possuir esses tomos si mesma. Como tal, eu estou confiando meu baú de tomos a vocês, postumamente. Peço que, por favor, entreguem a coleção para meus colegas na Universidade de Lepidstadt, que irão colocá-los a uma boa causa.

No entanto, antes de partir para Lepidstadt, há a questão do outro pedido. Por favor, atrasem sua viagem por um mês e passem este período aqui em Ravengro para garantir que minha filha esteja sã e salva. Ela não tem ninguém com quem contar, agora que eu me fui, e se vocês puderem ajudá-la a colocar as coisas em ordem para o que ela desejar, ao longo deste mês, você terão a minha gratidão eterna. De minhas riquezas, eu também dispus a cada um de vocês uma soma de cem moedas de platina. Por precaução, o que me resta desses fundos estão com Embreth Daramid, uma de minhas amigas mais confiáveis em Lepidstadt. Ela foi instruída a emitir esse pagamento mediante a entrega segura dos tomos emprestados não antes de um mês após a data da leitura deste testamento.

Eu, Petros Lorrimor, assino este testamento em Ravengro neste vigésimo quinto dia de Martelo, no ano de 1372 CV.

O mordomo de Kendra traz o baú mencionado no testamento, e o conselheiro deixa a mansão, tendo cumprido seu dever.


Conselheiro Vashian Hearthmount

Ao abrir o baú, há quatro livros e um diário, sendo que este último tem uma mensagem de "Leia-me!!!" pintada à mão na capa. Viktor folheia o diário, e nota algumas entradas circuladas em vermelho. Ele as lê em voz alta:

entradas circuladas no diário do professor lorrimor:
15 de Mirtul de 1362 (há dez anos):
O Caminho Sussurrante é mais do que uma cabala de necromantes. Eu vejo isso agora. A não-morte é a sua fonte da juventude. Descobrir a sua motivação não me deixa a vontade como eu pensei que poderia. Seu desejo de ser eterna simplesmente a torna mais perigosa.

8 de Nightal de 1371 (dois meses atrás):
É como eu temia. A cabala está interessada em algo aqui em Ravengro. Mas o que poderia ser?

12 de Martelo de 1372 (um mês atrás):
Seja o que for que a cabala procura, agora estou convencido de que seu objetivo está ligado a Rocha da Angústia. Em retrospecto, acho que tudo faz sentido, as histórias que contam sobre as ruínas da cidade são certamente condizentes. Pode ser o momento de investigar as ruínas, mas com todos na cidade sendo tão temerosos sobre elas, eu prefiro não deixar que os outros saibam sobre a minha curiosidade, há muita gente por aqui que já pensam que eu sou um demonologista ou um bruxo ou algo assim. Tolos ignorantes.

23 de Martelo de 1372 (vinte dias atrás):
Confirma-se. A cabala parece bastante interessada em algo, ou melhor, alguém que foi aprisionado em Rocha da Angústia. Mas quem, especificamente, a cabala está atrás? Eu preciso de uma lista de todos os que morreram na noite do incêndio. Todos. O Templo de Kelemvor deve ter essa lista.

25 de Martelo de 1372 (dezoito dias atrás):
Vejo agora o quão mal preparado eu estava quando fui a última vez para Rocha da Angústia. Eu tenho a sorte de ter voltado inteiro. Os fantasmas, se realmente eles eram fantasmas (o que achei prudente não investigar mais a fundo), impediram-me de transcrever os símbolos estranhos que encontrei gravados ao longo da fundação, espero na minha próxima visita estar mais preparado. Felizmente, as ferramentas necessárias para me defender contra os espíritos já estão aqui em Ravengro. Eu sei que a igreja de Kelemvor costumava armazená-las em uma cripta falsa nas Terras do Descanso na intersecção entre Sono Eterno e o Caminho Negro. Não estou certo se o clero atual sequer sabe do que seus antecessores esconderam. Com sorte eu deverei ser capaz de entrar e sair com alguns itens emprestados.

26 de Martelo de 1372 (dezessete dias atrás):
Amanhã a noite eu volto para a prisão. É imperativo que o Caminho não conclua o que quer que seja. Minha cautela já me custou muito tempo. Eu não sei o que vai acontecer se for tarde demais, mas se minha teoria estiver certa, a cidade inteira pode estar em risco. Eu não tenho tempo para atualizar meu testamento, então deixarei este diário no baú, onde ele certamente  será encontrado, caso o pior aconteça.

Monty e Immith examinam os quatro livros: o Manual da Ordem do Olho Palatino, que possui uma tranca intricada; Na Certeza da Loucura, um tratado sobre aberrações; Servindo Sua Fome, uma tradução do Professor dos textos profanos da deusa Velsharoon; e As Folhas Umbrais, uma tradução do Professor do livro macabro sobre o deus Bane.

Rhistel consegue abrir a fechadura do Manual da Ordem do Olho Palatino. Eles tentam ler o livro, mas logo Immith percebe que está escrito utilizando alguma criptografia intricada, além da compreensão do grupo.

Kendra oferece aos personagens acomodações em sua mansão durante os trinta dias que ficarão em Ravengro.

Durante o jantar Monty acaba perguntando sobre as circunstâncias da morte do Professor, e Kendra diz que foi um acidente: ela explica com muito esforço (e tentando evitar o chora por vários momentos) que ele estava investigando as ruínas de Rocha de Angústia, e uma gárgula despencou da muralha e esmagou o professor. Ela diz, inclusive, que o conselheiro Benjan Caeller pediu ao Padre Grimburrow se havia um modo de falar com o espírito do Professor (Padre Grimburrow é um sacerdote da Igreja de Kelemvor), mas sua cabeça estava esmagada (ela caiu aos prantos ao contar esta parte), impedindo que utilizassem falar com os mortos. Após o jantar todos se dirigem aos seus quartos para dormir.

Pesadelos

Viktor acorda no meio da noite, vendo a janela aberta (que ele havia fechado antes de dormir). Ele olha através dela, e vê as luzes de Ravengro ao longe (algo estranho, pois sua janela não tinha vista para a cidade). Ao olhar para o quarto novamente ele se transformou num quarto simples de pedra, com um balde para necessidades, e uma porta grossa de ferro. Quando olha para a janela novamente, ela está com grades. Fumaça começa a vir dos vãos da porta, e gritos de dor e desespero podem ser ouvidos do outro lado. Ele vê seu nome escrito com sangue na porta, que abre de repente...

É Rhistel, que havia ouvido os barulhos de Viktor no quarto ao lado. Viktor retorna à realidade, mas seu nome ainda está escrito com sangue na porta do quarto. O grupo se reúne por um instante para discutir o assunto, mas logo todos voltam a dormir novamente.

PARTE DOIS: CRIMES NÃO ESQUECIDOS

O grupo se separa por Ravengro para tentar colher informações. Eles estão muito intrigados com as circunstâncias da morte do professor, além dos relatos de assombrações nas ruínas de Rocha da Angústia, e todo o mistério que envolve o lugar.

Rhistel vai até Rocha da Angústia, e vê as runas na fundação da prisão mencionadas pelo Professor no diário. Ele tenta copiar algumas delas, e gasta o dia fazendo isso.

Immith fica na Mansão Lorrimor, pesquisando na biblioteca particular do Professor, e tentando mais um esforço em decifrar o Manual da Ordem do Olho Palatino.

Viktor vai até o Templo de Kelemvor verificar se a garota está bem, mas ela está dormindo desde que eles a deixaram lá. Ele conversa com o Padre Grimburrow, que diz sabe que a alma da garota está maculada, e que está aguardando ela acordar para fazer perguntas, e recuperar sua saúde para que ele possa purificá-la. O Padre dá permissão ao Paladino para utilizar a biblioteca e arquivos históricos do Templo. Ele passa o dia pesquisando, e descobre algumas informações sobre o Caminho Sussurrante.

tópico de pesquisa - o caminho sussurrante, parte 1:
1. O Caminho Sussurrante é uma organização sinistra de necromantes que têm estado ativa na região do Mar Interior (Terras dos Vales, Sembia, Cormyr, Ustalav, Impiltur e Damara) por milhares de anos.

2. Agentes do Caminho Sussurrante frequentemente buscam alianças com criaturas mortas-vivas, ou eles mesmos são mortos-vivos. O membro mais notório do Caminho Sussurrante foi Tar-Baphon, o Necrotirano ou Tirano Sussurrante, embora a cabala exista desde muito antes deste poderoso necromante.

Monty vai até o monumento, e nota que há algo diferente: um "V", feito com sangue, no mesmo padrão do nome de Viktor Shermov, está pintado na base da estátua. Ele investiga a área, e não nota nada anormal. Ele copia os nomes da placa de ferro, que diz: "Em memória do Diretor Lyvar Hawkran, sua amada esposa Vesoriana Hawkran, e os nobres guardas [nome de 23 guardas], cujo sacrifício salvou a cidade de Ravengro". Então ele se dirige à Prefeitura (Town Hall), e suborna o Conselheiro Gharen Muricar (que ouviu rumores de que os personagens ganharam uma boa quantia de ouro no testamento) para conseguir permissão de utilizar os arquivos do lugar.

A noite, quando se reúnem novamente na Mansão, Rhistel mostra a Immith as runas que copiou da fundação da prisão. Ela as identifica como símbolos arcanos de Abjuração e Necromancia, utilizados para aprisionar algo ou alguém.

Retorno às Terras do Descanso

Naquela noite os personagens decidem ir até o cemitério investigar a tal falsa cripta que o Professor mencionou no diário.

Eles encontram a cripta, e entram no interior. Dentro eles notam pegadas muito bem definidas no chão empoeirado, e seguem elas até um dos sarcófagos. Lá eles encontram alguns itens para serem usados na defesa contra fantasmas e mortos-vivos, além de uma prancheta espiritual, utilizada para falar com os mortos. Antes de sair eles são surpreendidos por duas Centopéias Gigantes, vindas das rachaduras nas paredes, mas as derrotam sem problemas.


loot na falsa cripta:
12 flechas de prata, 4 bastões solares, 6 frascos de água benta, 10 flechas +1, 5 flechas de ghost touch +1, 2 flechas de bane undead +1, 5 poções de curar ferimentos leves, 2 poções de lesser restoration, 1 pergaminho de detectar mortos-vivos, 2 pergaminhos de invisibilidade contra mortos-vivos, e 1 pergaminho de proteção contra o mal.

Dentro de uma caixa de madeira negra com um escaravelho com um olho (o mesmo símbolo do Manual da Ordem do Olho Palatino), haviam 4 Haunt Siphons e uma Spirit Planchette.

Rumores e Pesquisa

Os personagens passam os cinco dias seguintes no Templo de Kelemvor e nos Arquivos da Cidade pesquisando sobre a história de Ravengro, Rocha da Angústia e o Caminho Sussurrante.

tópico de pesquisa - o caminho sussurrante, parte 2:
3. O Caminho Sussurrante é uma série de filosofias que só podem ser transmitidas através de sussurros - elas nunca são escritas ou faladas em voz alta, tornando os objetivos exatos da cabala extremamente difíceis de serem discernidos por pessoas de fora.

4. Detalhes exatos da cabala são difíceis de discernir, mas um dos objetivos principais do Caminho Sussurrante é descobrir novas fórmulas para criar lichs, e arquitetar um meio de libertar o Tirano Sussurrante de sua prisão. Agentes da cabala viajam com frequência a lugares remotos ou áreas assoladas por assombrações para fazer pesquisa de campo ou mesmo capturar monstros únicos. Seu símbolo é uma caveira amordaçada, e aqueles que aprendem muitos segredos do Caminho Sussurrante são assassinados, e suas bocas mutiladas para prevenir que seus corpos divulguem seus segredos através da magia falar com os mortos.


tópico de pesquisa - rocha da angústia:
1. Rocha da Angústia é uma prisão em ruínas - parcialmente destruída por um incêndio em 1322 CV, e o edifício ficou abandonado desde então. Os locais acreditam que ela é assombrada, e não gostam de falar do assunto.

2. Rocha da Angústia foi construída em 1255 CV. Ravengro foi fundada na mesma época como um lugar onde os guardas e suas famílias pudessem viver, além de providenciar alimentos e outros suprimentos para a prisão. O incêndio que matou todos os prisioneiros e a maioria dos guardas destruiu uma grande porção da ala subterrânea leste, mas deixou a estrutura de pedra praticamente intacta. O diretor da prisão morreu no incêndio, junto com sua esposa, embora ninguém saiba o motivo de ela estar prisão no momento do incêndio. Uma estátua homenageando o diretor e os guardas que perderam suas vidas foi construída alguns meses após a tragédia - ela ainda existe na estrada leste de Ravengro.

3. A maioria dos criminosos enviados a Rocha da Angústia permaneciam apenas alguns meses encarcerados, pois ali aconteciam a maioria das execuções de Ustalav naquela época. O incêndio que causou a tragédia, foi, na verdade, uma bênção disfarçada, pois os prisioneiros haviam se rebelado e tomado o controle da prisão pouco antes do incêndio acontecer. Foi apenas através do auto-sacrifício do Diretor Hawkran e vinte e três de seus guardas que os prisioneiros foram impedidos de escapar - os guardas deram suas vidas para salvar a cidade de Ravengro.

4. Quando Rocha da Angústia queimou, cinco criminosos particularmente notórios haviam chegado na prisão recentemente. Enquanto frequentemente acredita-se que o incêndio trágico iniciou-se acidentalmente após a rebelião começar, na verdade os prisioneiros já haviam tomado o controle dos calabouços e estavam com o comando do nível mais baixo da prisão por várias horas antes do incêndio. O Diretor Hawkran tentou trancar os prisioneiros no nível mais baixo ao destruir o elevador de acesso, mas com isso ele também prendeu ele e mais vinte e três guardas. Os prisioneiros estavam quase escapando quando os guardas da superfície entraram em pânico, e acidentalmente inciaram um incêndio numa tentativa desesperada de encerrar a rebelião.

tópico de pesquisa - os cinco prisioneiros:
1. Originalmente Rocha da Angústia guardava apenas criminosos locais, mas conforme a fama da prisão se espalhou, outros condados de Ustalav, e até mesmo terras distantes começaram a pagar para ter seus criminosos dentro daquelas paredes. No período do Grande Incêndio de Rocha de Angústia, a quantidade de criminosos particularmente violentos ou perigosos era a maior da história da prisão.

2. Os cinco prisioneiros mais notórios em Rocha da Angústia no período do incêndio eram o Padre Charlatão, o Degolador, o Maníaco de Águas Turvas, o Flautista de Illmarsh e o Mestre dos Nomes.

Padre Charlatão (Sefick Corvin): Dos cinco notórios prisioneiros, Padre Charlatão era o único que não era tecnicamente um assassino, mesmo assim, seus crimes eram tão blasfemos que várias igrejas exigiram que ele fosse punido com a extensão total da lei Ustalávica. Embora ele tenha clamado ser um sacerdote ordenado de várias religiões, Padre Corvin era um vigarista viajante que usava a fé como um meio de extorquir dinheiro de suas vítimas por falsos milagres e curas. Ele ficou conhecido como Padre Charlatão depois que seu esquema foi desvendado, e seus comparsas assassinaram meia-dúzia de guardas de uma pequena cidade na tentativa de fugirem ilesos.

O Degolador (Vance Saetressle): Quando o Degolador espreitava suas vítimas, ele se escondia nos lugares mais improváveis, algumas vezes por dias a fio com apenas alguns suprimentos enquanto ele aguardava pelo momento certo. Quando suas vítimas ficavam sozinhas, ele surgia de repente decapitando-as com um machado.

O Maníaco de Águas Turvas (Ispin Onyxcudgel): Este anão era um grande artesão e esposo dedicado. Quando ele descobriu a infidelidade da esposa, ele entrou em uma fúria assassina e acertou sua esposa com seu martelo, estilhaçando o crânio e também sua própria sanidade. Assolado por vergonha e remorso, ele se convenceu que se reconstruísse o crânio da esposa, ele poderia revivê-la. Mas infelizmente ele não conseguiu encontrar o último pedaço. Então, Ispin se tornou o Maníaco de Águas Turvas. Nos meses que se seguiram, ele matou dezenas de pessoas com seu martelo, sempre em busca do pedaço que faltava para completar o crânio de sua esposa. Ele foi capturado quando tentava assassinar a filha de um nobre de Varno, e foi enviado a Rocha da Angústia na mesma noite.

O Flautista de Illmarsh (nome desconhecido): Antes de matar suas vítimas, o Flautista as encantava com sua bela música. Ele as paralisava, e assistia suas stirges de estimação sugarem o sangue da vítima até a morte.

O Mestre dos Nomes (Hean Feramin): O Professor Feramin era um celebrado acadêmico da Universidade de Caliphas, que estudava Onomástica (o estudo dos nomes próprios e suas origens). Porém uma parceria acidental com uma súcubo distorceu e perverteu seus estudos, tornado-os uma obsessão. Fermin se tornou obcecado pelo poder de um nome e como ele poderia usá-lo para conseguir poder e controle. Em pouco tempo sua reputação estava arruinada, ele perdeu sua cadeira como professor, e desenvolveu uma obsessão incontrolável por uma ligação imaginária entre o nome de uma pessoa e o que acontece com aquele nome quando uma pessoa morre. A cada poucos dias ele secretamente preparava um jeito para que uma vítima encontrasse uma letra de seu nome escrita a sangue. Assim que ele terminava de escrever o nome completo da vítima, ele finalmente aparecia e a matava em uma bagunça sangrenta usando uma complexa série de armadilhas ou eventos que pareciam acidentais.

No último dia de pesquisas (19 de Alturiak), durante a tarde, Monty resolve deixar o grupo e ir até o memorial investigar mais um pouco. Na base da estátua agora tem mais uma letra pintada com sangue: "E". Ele usa a ligação empática com seu companheiro animal para usar os sentidos do lobo, e nota que o lobo sente um odor familiar. Ele não consegue mais detalhes, mas usa a magia falar com animais para tenta pedir ao lobo que tente avisá-lo quando sentir aquele odor novamente.

O grupo se reúne já durante a noite na praça principal de Ravengro, e se dirige à Mansão Lorrimor. No caminho eles notam duas pessoas cambaleando na rua, parecendo bêbados. Ao chegar mais perto o lobo de Monty começa a rosnar para os sujeitos descontroladamente, e Viktor e Rhistel percebem que são dois esqueletos (visão no escuro e penumbra, respectivamente). Eles derrotam os mortos-vivos com facilidade, e notam que os esqueletos não portavam armas, nem nenhum equipamento do tipo... na verdade, vestiam roupas comumente utilizadas para enterrar pessoas.

Eles decidem investigar as Terras do Descanso imediatamente, e partem na direção do cemitério de Ravengro...

Minhas Observações

Achei a aventura muito *beep*, a história é muito envolvente.

Fiquei satisfeito com o resultado da sessão, mas espero conseguir evocar um climão de suspense e horror ainda mais pesado na próxima sessão.


Última edição por E. Casati em Sab 28 Fev 2015, 11:31 pm, editado 2 vez(es)
avatar
E. Casati
Incarna
Incarna

Mensagens : 2674
Reputação : 2
Data de inscrição : 18/03/2010
Localização : Cuiabá - MT

http://atocadodragao.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Diário da Campanha

Mensagem por E. Casati em Dom 24 Ago 2014, 10:34 pm

Trilha sonora (coloque no modo aleatório).
Assim como da última vez, esta é uma versão bem resumida da sessão.

SESSÃO 2

A Missão

Os eventos misteriosos em Ravengro aumentam em magnitude e crueldade, e a cidade se vê dentro de um pesadelo real, e a sanidade dos personagens é colocada à prova...

O Grupo

A História

Alguns dias atrás...

Grigor Kulenov é enviado por Embreth Daramid (ver o testamento do Professor) para garantir que nada de errado aconteça à Kendra, agora que seu pai está morto. Ele viaja para Ravengro, e, se aproximando da cidade, ainda na estrada que permeia as fazendas, ele encontra uma carroça, com um garoto no chão chorando aos berros com uma fratura exposta na perna sangrando muito. Quando vê o guerreiro, o garoto grita por ajuda, e também grita que seu pai está em perigo, por que bandidos o levaram. Grigor adentra o campo da fazenda, chegando até um casebre. Lá ele vê um velho camponês morto, a casa revirada, e um baú pequeno vazio jogado ao chão. Ao voltar à carroça, ele encontra o garoto morto. Ele segue viagem até Ravengro e chega na cidade no vigésimo dia de Alturiak a noite (o mesmo dia em que a última sessão acabou). Ele se dirige à Mansão Lorrimor, onde se apresenta à Kendra.

PARTE TRÊS: DIAS ESTRANHOS EM RAVENGRO

Seguindo os eventos da última sessão, os personagens (Viktor, Rhistel, Monty e Immith) seguem para as Terras do Descanso investigar a respeito dos esqueletos reanimados.

Descanse em Paz

Eles entram clandestinamente no cemitério, e após um pouco de caminhada e investigação, Rhistel vê gravado na mármore de um túmulo a seguinte inscrição:

MONTY ALBERON

"Venha para o meu mundo,
e seja como eu;
como sou agora,
você será em breve;
abrace seu fim,
e seja minha testemunha."

MORTO EM 1322 CV

O restante do grupo não vê nada além de um nome qualquer, um epitáfio, e uma data de morte diferente da que Rhistel vê. Isso cria uma grande tensão no grupo, que é atacado de repente por dois esqueletos que saíram dos túmulos em volta.


Após o combate, o grupo continua pelo cemitério observando o lugar, e notam que algumas covas e túmulos estão abertos. Eles decidem voltar à cidade, e no caminho acham prudente procurar o Padre Grimburrow no Templo de Kelemvor.

A Garota Perdida

Eles chegam ao Templo de Kelemvor, que está fechado devido à hora avançada da noite. Eles batem na porta, e um acólito assustado e nervoso os atende através de um pequeno vão. Ele diz que o Padre está recluso em orações e pede para que voltem no dia seguinte.

Rhistel se atenta aos passos do rapaz no interior do templo, e, se certificando que o acólito deixou o salão principal do templo, o elfo usa suas ferramentas para abrir a fechadura da grande porta dupla.

Ao abrir, eles se deparam com algo horrendo: o chão do lugar está banhado em sangue. Viktor toma a frente, e após o grupo entrar, Rhistel fecha a porta. Com a luz mágica providenciada por Monty, eles conseguem ver várias runas pintadas com sangue nas paredes. Rhistel e Stayanoga (o grupo só a chama pelo sobrenome) notam que não são as mesmas runas que o elfo viu na fundação de Rocha da Angústia.

Rhistel ouve um cântico vindo de algum lugar no interior do templo. Eles seguem pelo interior com muita cautela, até encontrar um alçapão no "escritório" do Padre Grimburrow. Eles abrem e seguem pela escada que dá num túnel que termina numa porta. O cântico é bem nítido atrás da porta: "Sa tanan Yog-Sothoth", que é cantado repetidamente.

Eles abrem a porta e se deparam com uma cena ainda mais terrível: uma sala de pedra, com oito acólitos ajoelhados e cantando em êxtase olhando para cima, com os braços estendidos como se procurassem algum tipo de dádiva. No centro há um altar, onde a garota que Viktor e Stayanoga salvaram jaz deitada, nua, olhando para o teto, com uma expressão de completo horror na face. De costas para o grupo está o Padre Grimburrow estuprando a menina numa espécie de transe, enquanto também balbucia o cântico bizarro.

Viktor investe contra o Padre, matando-o com uma estocada de sua espada bastarda. Rhistel parte numa dança mortal, matando os acólitos um a um (mas deixa um deles vivo, desacordado). Monty e Stayanoga só observam completamente horrorizados.

A menina começa a flutuar, Vitkor quase parte ela ao meio com sua espada. Ela começa a inchar, tentáculos saem do ferimento provocado por Vitkor, e por fim ela é destruída de dentro para fora numa explosão de carne, sangue e ossos por uma criatura horrenda, uma massa amorfa de carne com centenas de olhos e bocas que balbuciam algo incompreensível sem parar.


Após um combate dificílimo, Monty e Stayanoga ficam inconscientes devido à gravidade dos ferimentos, e, atônitos, Rhistel e Viktor carregam os dois de volta à Mansão Lorrimor.

Venera Cthulhu

A Calmaria Antes da Tempestade

Na Mansão eles conhecem Grigor e tentam encontrar uma explicação para o que ocorreu. Kendra acha difícil compreender o que eles contam, e por fim manda seu mordomo, Alfred, chamar o Xerife Benjan Caeller para interrogar o acólito sobrevivente e ouvir a história dos personagens. Ela envia outro criado para chamar Jominda Fallenbridge, a apotecária de Ravengro e uma das amigas mais próximas do Professor Lorrimor.

Enquanto Jominda trata os ferimentos dos personagens, Rhistel e Viktor tentam explicar o que viram (e fizeram) ao Xerife Caeller.


Xerife Benjan Caeller

De início o Xerife não vê sentido no que o grupo conta, mas após um bom tempo é convencido do que aconteceu. O acólito acorda, e eles interrogam o rapaz, que diz que o Padre Grimburrow disse ter tido uma visão onde um grande mal acabaria com Ravengro através de um incêndio nos próximos dias, e então ele resolveu fazer um ritual para buscar o favor de Yog-Sothoth, um antigo deus de que tinha ouvido falar há muito tempo, e que não acreditava na existência, mas queria tentar mesmo assim, tamanho o desespero por causa da visão. Ele diz com toda sinceridade que a única coisa que fizeram foi sacrificar uma alma condenada para tentar salvar muitas vidas. 

Um mensageiro chega na Mansão e diz ao Xerife que há muitos relatos de ataques de mortos-vivos, e que a população está entrando em pânico. Ele diz que irá reunir os quatro Conselheiros da cidade e convocar uma reunião na próxima noite, que acontecerá na Prefeitura (Town Hall), onde discutirão com a população medidas para o futuro e tentarão acalmar as pessoas. Ele diz para os personagens passarem a noite e o próximo dia descansando e se recuperando de suas feridas, e que quer a presença deles na reunião.

O Xerife e Jominda deixam a Mansão, e os personagens vão para seus aposentos tentar dormir...

Minhas Observações

Hoje infelizmente a sessão foi mais curta (umas 3 horas, 3 horas e meia), e não rendeu o quanto eu havia planejado. As partes do cemitério e do templo demoraram muito...

Outra coisa ruim é que pelo jeito que a história havia terminado na outra sessão, e como prosseguiu nessa, o Gabriel praticamente não jogou, fiquei insatisfeito com isso.

Uma coisa *beep* é que os personagens estavam sem seu equipamento padrão enquanto pesquisavam. Então tanto a luta do cemitério quanto a do templo foram feitas sem armaduras, armas, etc., com exceção do ranger e da bruxa. A luta contra os esqueletos foi tranquila, mas a luta contra a aberração foi bem complicada por conta disso (e pra piorar a bruxa caiu antes de poder usar as curas).
avatar
E. Casati
Incarna
Incarna

Mensagens : 2674
Reputação : 2
Data de inscrição : 18/03/2010
Localização : Cuiabá - MT

http://atocadodragao.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Diário da Campanha

Mensagem por E. Casati em Ter 02 Set 2014, 5:30 pm

Trilha sonora.
Esta é uma versão bem resumida da sessão.

SESSÃO 3

A Missão

Os eventos misteriosos em Ravengro saem de controle, e o Conselho da Cidade contrata os personagens para tentar acabar com a assombração que assola a cidade...

O Grupo

Monty Alberon e Immith Stayanoga ficaram doentes devido aos ferimentos infeccionados provocados pelos ataques dos esqueletos e da aberração, e não participaram dos eventos a seguir.

A História

Duas semanas atrás...

O bardo Grim, que viajava com o Professor documentando suas aventuras, viaja até Ustalav para retomar os manuscritos que havia enviado ao Professor para correção. Ele chega em Ravengro apenas para descobrir que o Professor faleceu de forma trágica. Ele fica na cidade enquanto Kendra tenta encontrar os manuscritos para ele... Nesse tempo ele ouve histórias sobre a chegada de alguns estrangeiros para a leitura do testamento do Professor, a acompanha os eventos macabros que acontecem na pequena cidade de Ravengro.

Profanações Monumentais Parte I

Na manhã seguinte aos eventos no Templo de Kelemvor, Monty e Immith decidem permanecer na Mansão Lorrimor para descansar devido aos ferimentos infeccionados. Rhistel vai até as Terras do Descanso anotar os nomes nas lápides em que os mortos se levantaram, Grigor fica com Kendra para garantir sua proteção, e Viktor caminha pela cidade para ouvir boatos (ele nota que o Templo de Kelemvor foi queimado completamente por ordens do Xerife), se assegurar de que o povo está bem, e resolve verificar o Memorial na entrada da cidade a pedido de Monty.

Flashback: Monty havia investigado o lugar algumas vezes durante os últimos dias, e alguns dias depois de ter encontrado o "V" em sangue na base da estátua, havia um "E" logo em seguida.
* Esqueci de relatar isso no diário da segunda sessão.

Vitkor nota que mais uma letra foi escrita na base do monumento, um "A".


Com isso ele passa a ter quase certeza que trata-se do nome Vesoriana, o nome da esposa do Diretor Lyvar Hawkran, que morreu no grande incêndio de Rocha da Angústia (ler tópicos de pesquisa no reporte da primeira sessão).

Ele encontra um pequeno rastro de sangue que vai em direção de Ravengro, mas ele não consegue seguir.

Vingança Ardente

No início da noite os personagens se reúnem no Town Hall de Ravengro, para a reunião mencionada pelo Xerife Caeller. Kendra convida o bardo Grim a comparecer.

No interior do edifício de madeira, os quatro conselheiros da cidade tentam acalmar os quase sessenta aldeões que compareceram, dizendo que estão tentando resolver os problemas. A população demanda soluções, e todos têm relatos de acontecimentos estranhos.


Mas os esforços dos conselheiros são inúteis, e a insatisfação da população começa a ficar preocupante, impulsionada pelo medo e desespero. Quando a situação está prestes a sair de controle, as lanternas que iluminam o salão explodem, deixando o lugar em chamas.

A população entra em desespero completo tentando fugir do edifício, enquanto o fogo de alastra rapidamente. Tudo fica ainda pior quando duas caveiras flamejantes entram pelas janelas, e atacam as pessoas.

Em uma cena dramática, os personagens conseguem direcionar a população para as saídas, enquanto combatem as caveiras. O bardo Grim, que estava xavecando Kendra durante toda a reunião, protege a filha do professor, e, com a ajuda dela, salvam o conselheiro Gharen Muricar de morrer queimado.


Eles conseguem salvar a população com algumas perdas, e também impedem o Town Hall de queimar por completo. Os conselheiros, se vendo sem saída, dizem que têm certeza que a cidade está sofrendo uma vingança dos espíritos de Rocha de Angústia, e contratam os personagens para acabar com a ameaça.

Stirges Famintas

Naquela noite, os personagens resolvem dar uma boa descansada com uma bebedeira para limpar a mente dos últimos eventos na estalagem Demônio Gargalhante, de propriedade do simpático Zokar Elkarid, um grande amigo do Professor Lorrimor.


Zokar Elkarid

Tarde da noite, os personagens são os últimos a ficar na estalagem. Viktor conta para Grigor uma história de quando ainda era um escudeiro da Ordem dos Olhos Vigilantes de Helm em Cormyr, embalado por uma melodia de fundo tocada pelo bardo Grim.

Rhistel fica afastado do grupo, sentado próximo a uma janela. Ele ouve um zumbido no exterior, como de pernilongos gigantes, que parecem acompanhar a melodia tocada por Grim. Logo a estalagem é invadida por duas stirges, que atacam o grupo.


Eles derrotam as criaturas, e associam elas ao Flautista de Illmarsh, um dos cinco notórios prisioneiros mortos no incêndio de Rocha da Angústia.

Profanações Monumentais Parte II

Eles saem da estalagem, e tentam seguir a direção de onde o barulho das stirges vinha, não encontram nada, mas acabam se aproximando do Memorial, encontrando mais uma letra pintada a sangue, mas desta vez o sangue está muito fresco.


Eles têm certeza que se trata do nome de Vesoriana Hawkran. Rhistel acaba seguindo um rastro de sangue, e eles chegam aos arredores de Ravengro, na residência e açougue de Gibs Hephenus (o líder dos aldeões que confrontaram o cortejo fúnebre do Professor no cemitério).

Viktor sente o mal no interior do edifício simples de madeira. Ele arromba a porta e encontra o homem num sono profundo, com as mãos e roupas sujas de sangue, segurando um cutelo sujo de sangue fresco, e um balde com restos sangrentos de animais. Eles tentam acordar o homem, mas é inútil. Enquanto Rhistel guarda o açougueiro, eles investigam o lugar, mas não encontram nada.

Gibs acorda de repente numa espécie de transe furioso, e tenta matar Rhistel, mas Grigor impede imobilizando o homem com uma corrente, e Viktor o desacorda com pancadas. Grim acorda o Xerife Caeller, que após ouvir toda a história decide prender Gibs pela depredação do memorial, e diz que fará mais perguntas quando o sujeito acordar.

Os personagens associam a depredação com o assassino Mestre dos Nomes, outro dos cinco notórios prisioneiros mortos no incêndio de Rocha da Angústia.

PARTE QUATRO: ROCHA DA ANGÚSTIA

Na manhã seguinte eles partem para Rocha da Angústia.


Eles entram pelo portão principal, e decidem entrar na prisão pelo terraço desmoronado na parte norte (localização R7 no mapa). O barranco de destroços e entulho para subir até o terraço está tomado por uma trepadeira venenosa gigante, que quase causa sérios problemas ao bardo Grim.

No terraço eles são atacados por uma stirge gigante, que é derrotada facilmente.


Há apenas uma porta de madeira podre, já entreaberta. Ela dá numa escadaria, que acaba em uma grade trancada (localização T4a no mapa abaixo), que dá para um recinto completamente escuro. Rhistel acende uma tocha, abre a fechadura, e eles entram no recinto.


O lugar é um grande salão composto por celas com esqueletos aprisionados, um espaço onde os guardas provavelmente faziam suas refeições, e uma cozinha.

O Flautista de Illmarsh

Ao entrar, uma canção muito triste tocada numa flauta começa a soar pelo salão. A melodia é macabra, e suficiente para deixar os personagens abalados pelo medo. Grim começa a tocar uma melodia alegre e inspiradora para tentar confrontar a situação.

Mas logo eles percebem que há algo mais no lugar... os esqueletos nas celas se levantam, e algumas portas estão destrancadas. Algunss esqueletos saem de suas celas e atacam os personagens.

Enquanto isso o espírito do Flautista de Illmarsh começa a assombrar os personagens, que em alguns momentos chegam a ficar paralisados como estátuas de tanto pavor pela visão do fantasma.


Com muita artimanha Rhistel consegue acertar algumas flechas mágicas (encontradas na falsa cripta) na assombração que aparece e desaparece ao longo do combate, e Vitkor tenta canalizar um pouco do poder de seu deus para ferir a criatura. Eles conseguem derrotar a assombração, mas Grim cai inconsciente devido aos ferimentos provocados pelas stirges fantasmagóricas do Flautista de Illmarsh.

Vitkor cura o Bardo, fazendo-o recuperar os sentidos, e o grupo decide utilizar a Prancheta Espiritual que encontraram na falsa cripta nas Terras do Descanso. Vitkor utiliza o objeto, tentando contactar algum espírito do local para realizar algumas perguntas...

P&R com a prancheta espiritual:
P: A assombração em Rocha da Angústia é causada pelos cinco notórios prisioneiros?
R: Sim.

P: Os espíritos do Direitor Hawkran e sua esposa habitam Rocha da Angústia?
R: Não.

P: O espírito de Vesoriana Hawkran habita Rocha da Angústia?
R: Sim.

P: Vesoriana Hawkran foi assassinada?
R: Não.

P: Vesoriana Hawkran cometeu suicídio?
R: Sim.

P: Vesoriana Hawkran participou de alguma espécie de ritual?
R: Não.

P: O Professor Lorrimor pertence ao Caminho Sussurrante?
R: Não.

* Eu acho que teve mais perguntas, e não lembro agora. AUHAHUAUH devia ter anotado. Duh


Após a sessão espírita, Viktor informa o grupo que só energia positiva pode ferir esses espíritos. Então eles decidem recuar, e tentar comprar uma varinha mágica ou algo do tipo capaz de disparar tal energia para combater a Assombração de Rocha da Angústia.

Minhas Observações

Essa sessão rendeu demais. LOL

Tentei resumir, e o texto ficou meio ruim de ler. Mas o importante é só manter as coisas aí pra consulta, etc...

*beep* que esqueci todas as perguntas feitas no momento "sessão espírita" da aventura, mas acho que essas foram as principais. Se alguém lembrar de outras, me avisa.

Eu curti muito o encontro do Town Hall, e a cena espírita foi muito boa também. Até agora pra mim a aventura é 10/10.
avatar
E. Casati
Incarna
Incarna

Mensagens : 2674
Reputação : 2
Data de inscrição : 18/03/2010
Localização : Cuiabá - MT

http://atocadodragao.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Diário da Campanha

Mensagem por E. Casati em Seg 08 Set 2014, 10:21 pm

Trilha sonora.
Esta é uma versão ainda mais resumida da sessão, e escrevi de qualquer jeito.

SESSÃO 4

A Missão

O grupo entra em Rocha da Angústia e começa a enfrentar seus horrores...

O Grupo

Monty Alberon e Immith Stayanoga continuaram doentes devido aos ferimentos infeccionados, e não participaram dos eventos a seguir.

A História

Em Ravengro os personagens vão na loja da apotecária Jominda Fallenbridge (a única esperança de conseguir um item mágico na pequena cidade), e encomendam uma varinha de cura. Sem dinheiro para pagar de imediato, o grupo diz que a pagará assim que conseguirem, e a velha amiga do Professor aceita. Ela diz que fará uma encomenda, e que a varinha deve demorar de três a quatro dias para chegar de Tamrivena.

Interrogando o Açougueiro

Viktor e Grim vão até a sede da guarda interrogar Gibs Hephenus. O homem se diz inocente, e fala que não fez nada. Eles notam que ele fala a verdade. Quando resolvem deixar o lugar, Gibs irrompe em um frenesi, tentando quebrar as grades da cela. Ele diz numa voz estranha e gutural "Vocês não me impedirão de escapar! Nós escaparemos a qualquer custo!!! Seu plano não dará certo!". Com isso os personagens passam a ter certeza que é uma possessão.

Mortos Inquietos

Naquela noite, na Mansão Lorrimor, o jantar dos personagens é interrompido por batidas na porta. Ao abrir, Viktor se depara com um zumbi: o Professor Lorrimor! Ele e Rhistel lutam com a criatura com muito pesar, e acabam por destruí-la... Viktor mal consegue dormir depois disso.

Profanações Monumentais

No dia seguinte Viktor é avisado por um guarda que outra letra foi escrita na base do memorial: "O".


O grupo encontra um rastro de sangue no chão, e o segue até uma residência em Ravengro. Eles chamam o Xerife, e falar com os moradores, um casal de humanos. Grim encontra um balde com restos sangrentos de animais na despensa. Ele e o Xerife bolam um plano para impedir que qualquer um dos dois que esteja sendo possuído continue as profanações: dizer que o casal corre perigo por algum motivo, e que deixarão dois guardas vigiando a residência (prender os dois seria difícil de explicar à população da cidade que já está em desespero, e poderia causar pânico ou revolta maiores).

Rhistel resolve montar guarda no memorial todas as noites, dormindo durante o dia. Durante a primeira noite um dos guardas avisa Rhistel que o homem tentou sair de casa com uma galinha morta na direção do memorial, mas eles o prenderam. Na noite seguinte nada acontece, e, na terceira noite, ele nota alguém se aproximando do memorial. Ele vê o sujeito tentando escrever algo na base do memorial e dispara flechas contra o profanador, mas não antes que ele termine de escrever mais uma letra: "N".


Ele impede que o homem, um marceneiro da cidade, morra pelas flechadas, e o leva até o Xerife para ser preso.

Ciranda Macabra

Mais tarde naquele dia Viktor e Grim vão até a loja de Jominda Fallenbridge pegar a varinha. Na volta, eles encontram algumas crianças brincando de ciranda, cantando uma música macabra:

Pegue uma faca e corte sua garganta
Olhe o sangue sair da flauta
Alimenta os monstros, fugir não adianta
Escreve seu nome com suas entranhas
Mata sua mulher com um martelo
Coleciona crânios com esmero
O padre enganador mente ao falar
Escute com cuidado ele vai te matar!

Eles associam os versos com os cinco notórios prisioneiros que morreram no incêndio de Rocha da Angústia. Ao perguntar sobre a música para as crianças, elas dizem que é uma canção popular da região.

Depois de um almoço na Estalagem do Demônio Gargalhante, e em posse da varinha de cura, o grupo parte para Rocha da Angústia.

DUNGEON TIME!

* Resolvi não escrever aqui o que aconteceu em cada sala da exploração de Rocha da Angústia porque é muita coisa. Farei isso com todas as dungeons da campanha.

Eles entram no edifício pelo mesmo lugar de antes e exploram o segundo andar por completo. No terraço oeste (R6, ver o mapa no reporte da sessão 3) eles lutam contra uma foice animada, uma assombração causada pelos espíritos inquietos de tantos prisioneiros mortos ali pelas mãos do carrasco de Rocha da Angústia. No interior, eles encontram uma cela maior que as outras.

No interior da cela há um esqueleto de um homem, acorrentando por dezenas de correntes presas com cadeados entalhados com símbolos sagrados de vários deuses de Faerûn. Aquilo chama a atenção do grupo, mas nada demais acontece.

Primeiro Andar


Eles descem ao primeiro andar e exploram o local. Logo no primeiro combate Rhistel ele cai inconsciente ao sofrer dano de uma assombração.

O Padre Charlatão

O elfo acorda em uma enfermaria. Um elfo gordo, ruivo, que parece ser careca mas esconde isso com uma peruca diz a ele que todos seus amigos morreram em Rocha da Angústia, mas que ele foi resgatado por um segundo grupo de aventureiros que acabou com a ameaça da prisão. Rhistel tenta sair do quarto, mas o homem tenta impedí-lo, sempre dizendo que Rhistel está fraco e que precisa descansar. O elfo tenta sair mesmo assim, e acaba percebendo que o lugar, que está deserto, parece um labirinto.

Enquanto isso, em Rocha da Angústia, o restante do grupo vê o elfo inerte no chão, mas com vida. Seus ferimentos parecem abrir sozinhos, e as tentativas de cura parecem inúteis.

Por fim Rhistel consegue sair da alucinação, e "volta" para Rocha da Angústia. Ao dar a descrição do homem para o grupo, Grim reconhece que é o Padre Charlatão. Eles percebem que Rhistel estava sendo assombrado pelo criminoso, mas que se livrou dele.

OFF: O primeiro que entrasse na sala do esqueleto acorrentado seria assombrado pelo Padre Charlatão. Ao sofrer dano, o personagem cairia inconsciente, e eu deveria narrar que o dano fora suficiente para matá-lo. No "sonho", o personagem ficava testando Vontade CD 15. A cada sucesso ele causava 1d6 pontos de dano na assombração, enquanto a cada falha, o personagem sofria 1d6 pontos de dano. A cena foi rolada com o Charton separado do grupo, então uma parte não sabia o que estava acontecendo com a outra, e vice-versa. O uso de detectar mortos-vivos mostraria a figura do padre flutuando logo atrás do elfo, com a mão sobre seus ombros, mas o grupo não tinha tal recurso.


Cofre Escondido

No arsenal da prisão o grupo encontra um cofre escondido contendo itens dos cinco notórios prisioneiros, todos eles muito bem feitos: uma flauta de prata, uma machadinha, um martelo de ferreiro, um grimório e uma coleção de símbolos sagrados.

Vitkor detecta o mal em apenas três dos cinco itens (na machadinha, no martelo e no grimório). Grim nota que apenas a machadinha é um item mágico.

Ao examinar o grimório, eles vêem que há vários nomes escritos em sangue nas margens das páginas. Cada personagem vê seu próprio nome escrito no livro.

Vesoriana Hawkran

Após vários combates e explorar o primeiro andar quase por completo, o grupo acabou por entrar na oficina da prisão, o lugar de morte de Vesoriana Hawkran, e se encontraram com o espírito da mulher.



Os personagens ficaram completamente abalados pela melancolia que a visão do espírito causava. Ela conta que no dia da rebelião, ao saber do acontecimento, ela foi à Prisão preocupada com seu marido. Quando os prisioneiros tomaram conta do subsolo, e estavam prestes a alcançar a superfície, os guardas, desesperados, a trancaram na oficina, para que ficasse segura contra os criminosos. Mas então o incêndio aconteceu, e, trancada, ela não pôde escapar do fogo.

Ela explica que está confinada à sala, mas que pode sentir tudo o que acontece na prisão. Ela diz que até algumas semanas atrás podia sentir a presença do espírito do seu marido, mas que alguns homens vestidos de negro, que nunca falavam, vieram à Rocha da Angústia e começaram a desenhar runas na fundação da prisão, e executaram um ritual, que fez com que seu marido desaparecesse. Ela diz ainda que nos últimos dias do ritual um velho veio na prisão por algumas noites, e acabou sendo morto através de magia vil por um homem magro, de pele cinza, vestindo uma armadura de ossos e carregando um cajado negro com uma caveira amordaçada na ponta. Após este homem matar o velho, ele esmagou sua cabeça com uma pedra.

Os personagens ligam os pontos, e entendem que o professor estava certo, o Caminho Sussurrante veio até Rocha da Angústia atrás de alguém, e este alguém era o espírito do Diretor Hawkran (Immith Stayanoga havia dito que as runas na fundação eram de abjuração e necromancia, utilizadas para aprisionar algo). Fica claro que o Professor foi assassinado por um membro do Caminho Sussurrante.

Vesoriana diz que de alguma forma o espírito de seu marido impedia que as assombrações deixassem Rocha da Angústia, e que agora que ele se foi, ela é a única coisa que os impede de fugir (porque possui uma ligação forte com seu marido). Ao ser informada das letras no memorial, ela conclui que o Mestre dos Nomes está tentando destruí-la, e, neste caso, as assombrações irão escapar de Rocha da Angústia, trazendo ruína a Ravengro. Ela diz que os personagens devem destruir as assombrações o mais rápido possível, antes que o Mestre dos Nomes termine seu ritual.

O grupo pergunta se ela pode ajudá-los a enfrentar as assombrações, e ela diz que eles são suscetíveis a seus itens pessoais. Os personagens juram que irão acabar com as assombrações, e trazer paz a Ravengro e ao espírito de Vesoriana, e Rhistel, completamente sensibilizado pela mulher pois ela lembrava muito um amor passado (isso foi improvisado pelo Charton na hora), jurou que encontraria o espírito do marido de Vesoriana para reuní-los no pós-vida.

Vesoriana diz que as assombrações não conseguem entrar na oficina, e os personagens concluem que o lugar é seguro para descansar, e fazem isso antes de continuar explorando o primeiro andar e descer para o subsolo, provavelmente a parte mas perigosa de Rocha da Angústia.

Minhas Observações

bounce
avatar
E. Casati
Incarna
Incarna

Mensagens : 2674
Reputação : 2
Data de inscrição : 18/03/2010
Localização : Cuiabá - MT

http://atocadodragao.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Diário da Campanha

Mensagem por E. Casati em Seg 15 Set 2014, 2:46 am

Trilha sonora.
Esta é uma versão ainda mais resumida da sessão, e escrevi de qualquer jeito.

SESSÃO 5

A Missão

O grupo continua a enfrentar os horrores de Rocha da Angústia...

O Grupo

Monty Alberon e Immith Stayanoga continuaram doentes devido aos ferimentos infeccionados, e não participaram dos eventos a seguir.

A História

Depois de destruir o Degolador e outros monstros, o grupo enfrentou o Mestre dos Nomes, e...

TPK!

Tá, não foi TPK porque o Paladino e o Guerreiro sobreviveram... e fugiram de Rocha da Angústia. O que deu tempo do Mestre dos Nomes terminar de escrever o nome de Vesoriana no memorial, destruir o fantasma da mulher, e libertar todas as assombrações de Rocha da Angústia, que destruíram Ravengro por completo num incêndio monumental.

Viktor e Grigor fugiram para Tamrivena - a cidade mais próxima - levando Kendra consigo, assombrados pelo resto de suas vidas pelo que vivenciaram na pequena cidade de Ravengro, e pelo seu fracasso em salvar a população.

Minhas Observações

Postei no obituário da Carrion Crown (nome da campanha) no fórum da Paizo (clica pra ampliar a imagem).



xD

Como campanha/aventura de horror, acho que terminou bem. Triste


Última edição por E. Casati em Seg 15 Set 2014, 2:11 pm, editado 1 vez(es)
avatar
E. Casati
Incarna
Incarna

Mensagens : 2674
Reputação : 2
Data de inscrição : 18/03/2010
Localização : Cuiabá - MT

http://atocadodragao.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Diário da Campanha

Mensagem por Daniel Coutinho em Seg 15 Set 2014, 8:49 am

Aventura muito boa. Devemos tentar outra vez...

RIP Barão Grim T_T
avatar
Daniel Coutinho
Ancião
Ancião

Mensagens : 1055
Reputação : 1
Data de inscrição : 18/03/2010
Idade : 31
Localização : Cuiabá-MT

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Diário da Campanha

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum